Os desafios do Loop Guard em Switches HP, Officeconnect, ArubaOS, CX, Instant On

A interoperabilidade entre switches de diferentes fabricante é um desafio para os administradores de rede. As incorporações da indústria e as novas demandas tecnológicas trazem um desafio extra para aprender a gerenciar diferentes switches do mesmo fabricante. A funcionalidade Loop Guard do spanning-tree possui diferentes nomes entre diferentes sistemas operacionais e exigem uma leitura minuciosa dos guias de configuração dos fabricantes para cada modelo de Switch e seus novos releases.

Nesse vídeo fazemos a comparação do Loop Guard e as pequenas variações de nome para a mesma funcionalidades em Switches do fabricante HP/Aruba:

HP 1910 – Loop Protection https://support.hpe.com/hpesc/public/docDisplay?docId=emr_na-c02965327
HP 1920 – Loop Protection https://support.hpe.com/hpesc/public/docDisplay?docLocale=en_US&docId=c04463799
HP 1920S- Loop Guard https://oss.arubase.club/wp-content/uploads/2019/09/HPE-OfficeConnect-1920S-Configuration-Guide.pdf
ArubaOS – Loop-guard https://techhub.hpe.com/eginfolib/networking/docs/switches/WB/15-18/5998-8156_wb_2926_atmg/content/ch05s08.html
ArubaCX – Loop-guard https://www.arubanetworks.com/techdocs/AOS-CX/10.08/HTML/l2_bridging_4100i-6000-6100-6200/Content/Chp_stp/mstp_cmds/spa-tre-loo-gua.htm
Comware – loop-protection https://support.hpe.com/hpesc/public/docDisplay?docLocale=en_US&docId=a00041113en_us

Vídeo: Switches ArubaOS – Protegendo o Spanning-Tree

O protocolo Spanning-Tree é bastante vulnerável a ataques pela simplicidade de sua arquitetura e falta de mecanismos de autenticação. O protocolo STP não impede em sua arquitetura que um novo switch adicionado à rede seja configurado erradamente com a prioridade 0 (zero) e que dessa forma possa tomar o lugar do switch root, ocasionando uma nova convergência da LAN para a topologia a partir do novo Switch Root.

Os ataques ao protocolo STP geralmente têm como objetivo assumir a identidade do switch root da rede, ocasionando assim cenários de indisponibilidade na rede. Programas como o Yersinia permitem gerar esse tipo de ataque. Há também cenários em que usuários adicionam switches não gerenciados e hubs (propositadamente ou não) com o intuito de fornecer mais pontos de rede em ambientes que deveriam ser controlados.

Funcionalidades comentadas no video para mitigar os ataques ao STP, são: Root Guard, BPDU Protection (BPDU guard) com STP admin-edged-port (portfast) e loop guard.

Vídeo: Switches ArubaOS-CX – Configurando STP Root-Guard e Loop-Guard no EVE-NG

Nesse video, montamos um laboratório no EVE-NG com Switches ArubaOS-CX demonstrando a configuração do Spanning-Tree e das funcionalidades Root-Guard e Loop-Guard.

Root Guard: A configuração da porta como Root Guard permite à uma porta Designada a prevenção do recebimento de BPDU’s superiores, que indicariam outro Switch com melhor prioridade para tornar-se Root, forçando a porta a cessar comunicação, isolando assim o segmento. Após encerrar o recebimento desses BPDU’s a interface voltará à comunicação normalmente.

Loop Guard: A configuração da porta como Loop Guard possibilita aos Switches não-Root, com caminhos redundantes ao Switch Raiz, evitar situações de Loop na falha de recebimentos de BPDU’s em portas com caminhos redundantes. Em um cenátio atípico, quando uma porta alternativa parar de receber BPDU (mas ainda UP) ela identificará o caminho como livre de Loop e entrará em modo de encaminhamento criando assim um Loop lógico em toda a LAN. Nesse caso a funcionalidade deixará a porta alternativa sem comunicação (como blocking em loop-inconsistent) até voltar a receber BPDU’s do Switch Root