Aruba InstantOn – Configurando PPPoE

Em uma rede que oferece DHCP ao AP InstantOn o provisionamento é bem intuitivo e basicamente você necessita apenas utilizar o app ou efetuar o provisionamento através do portal web: http://www.comutadores.com.br/aruba-instant-on-configuracao-atraves-do-app/

Para a configuração do AP para estabelecer a conexão com o provedor atraves do PPPoE é necessário efetuar um procedimento diferente com alguns pontos de atenção:

1. A configuração do PPPoE deverá ser executada antes da integração do AP com a nuvem. Caso o AP já esteja integrado com a nuvem, a configuração do PPPoE não estará mais disponivel para modificações.

2. No entanto, se o AP perder a conectividade com a nuvem e forem detectadas falhas de PPPoE, você poderá acessar a WebUI local e atualizar as configurações novamente.

Configurando InstantOn com PPPoE

Siga as etapas abaixo para configurar o PPPoE na sua rede:

1. O Instant On AP deve estar conectado ao modem fornecido pelo provedor, mas não possui um endereço IP fornecido pelo servidor DHCP.

2. Quando o LED do AP ficar laranja sólido, o AP transmitirá um SSID InstantOn-AB:CD:EF aberto, após aproximadamente um minuto – em que AD: CD: EF corresponderá aos três últimos octetos do endereço MAC do AP.

3. Conecte seu notebook ou celular ao SSID e acesse o servidor da Web local em https://connect.arubainstanton.com. A página de configuração local da WebUI é exibida.

4. Em Endereçamento IP, selecione o botão de opção PPPoE.

5. Digite o nome de usuário e a senha do PPPoE fornecidos pelo seu provedor, nos respectivos campos.

6. Clique em Aplicar. O AP será reiniciado assim que a configuração do PPPoE for aplicada.

7. Aguarde as luzes LED piscarem em verde e laranja. Isso indica que o link PPPoE está ativo e estável. Você verá o status de integração do dispositivo agora com a mensagem ” Waiting to be onboarded.. “. Esta etapa pode levar mais cinco minutos, se o AP atualizar seu firmware durante o processo de reinicialização.

Referências

https://www.arubainstanton.com/techdocs/en/content/get-started/pppoe.htm

Wireless Aruba – Nomenclatura dos APs

Os pontos de acesso da Aruba possuem alto desempenho e são referências no mercado através de funcionalidades que utilizam otimização de RF com inteligência artificial, hardware e OS focados no fornecimento da melhor experiência ao usuário.

Os APs também agregam serviços que suportam dispositivos IoT com protocolos Wi-Fi, Zigbee, Bluetooth etc. Uma dica interessante é que os pontos de acesso possuem uma estrutura de nomes que podem ajudar a identificar a sua capacidade e função.

Os primeiros dígitos indicam o suporte ao padrão WLAN:

• 1: 802.11n
• 2: 802.11ac wave 1
• 3: 802.11ac wave 2
• 5: 802.11ax

Os dígitos seguintes indicam o tipo de ponto de acesso:

• 0: AP de entrada para ambiente indoor
• 1: Padrão para ambiente indoor
• 2,3 e 5: Indoor de alta densidade
• 6: AP de entrada para ambiente outdoor
• 7: Outdoor

Os últimos dígitos com valor ímpar representam os APs com antenas internas, já os APs com dígito final par, indicam os conectores para antenas externas. Caso o access point tenha uma letra no final como o H, significa que é designado para ambientes hospitalares, R para Teleworkers.

Caso tenha dúvidas referente a funcionalidades e especificações dos APs, procure o datasheet de cada modelo, nele é possível encontrar dos detalhes mais importantes do equipamento.

Por exemplo datasheet da serie Aruba AP 530: https://www.arubanetworks.com/assets/ds/DS_AP530Series.pdf

Já para os acessórios e antenas utilize o ordering guide de cada serie para identificar os itens necessários para implementação do ponto de acesso.

Por exemplo o ordering guide da serie Aruba AP 370: https://www.arubanetworks.com/assets/og/OG_AP-370Series.pdf

Referências

Aruba Certified Design Associate_ Official Certification Study Guide ( HPE6-A66)

Aruba Instant On – Configuração através do app

A Aruba lançou uma linha de Access Point para pequenas empresas chamada de Instant On, oferecendo visibilidade e estabilidade no acesso . O hardware utilizado é tão robusto quanto o dos IAP (ou atualmente chamados UAP), mas possui um firmware próprio dedicado para a serie. É muito importante não confundir os APs Aruba Instant On com os APs Aruba Instant. O Aruba Instant é uma solução corporativa com muitas opções e recursos avançados,  além de licenças adicionais necessárias para gerenciamento através da nuvem com o Aruba Central ou Controladora on-premises, enquanto o serviço do portal para gerenciamento do Aruba Instant On é um recurso incluso, sem custo adicional.

O Aruba Instant On é destinado a organizações menores, com menos de 100 usuários. Como o Aruba Instant On foi desenvolvido para simplificar a implementação da rede sem fio as configurações complexas para WLAN não estão disponíveis. As documentações da Aruba indicam o Instant On como ideal  para o varejo,  pequenos hotéis, hostels e escritórios.

A configuração dos APs é bem intuitiva e o administrador só precisa fornecer os nomes da rede, os números da VLAN (se houver) e as chaves pré-compartilhadas (PSK). Para os cenários com autenticação 802.1X , os APs Instant On também oferecem suporte à funcionalidade.

Um grande atrativo é a facilidade para implementação e gerenciamento – além do custo dos APs. Todo o gerenciamento é executado em nuvem através de um app ou um portal, sem licenciamento ou necessidade de controller externa (mesmo para um grupo de access points).

Entre as principais funcionalidades temos, o controle de RF (largura de canal, seleção de canal e banda 2.4Ghz e/ou 5Ghz), visibilidade/controle sobre os apps, suporte a PPPoE, Guest, Captive portal, suporte a alta disponibilidade e RADIUS proxy.

Configurando o Instant On através do App

  1. Conecte o AP Instant On, a rede com permissão de acesso à internet;
  2. Espere até as luzes do AP, estarem verde e âmbar;
Uma imagem contendo colar

Descrição gerada automaticamente

3 . Baixe o app na Apple Store ou Google Play;

Tela de celular com texto preto sobre fundo branco

Descrição gerada automaticamente

4. Abra o app e siga as instruções de instalação;

5. Para adicionar mais equipamentos conectados a rede cabeada ou via wireless clique no sinal de +;

Uma imagem contendo comida

Descrição gerada automaticamente

Pronto! Já é possível gerenciar e administrar os APs através do app ou portal web https://portal.arubainstanton.com/

Tela de celular com publicação numa rede social

Descrição gerada automaticamente

Referências

https://www.arubainstanton.com/products/indoor/

https://community.arubainstanton.com/t5/Blogs/Instant-On-version-1-4-is-here-and-it-is-all-about-flexibility/ba-p/1539

https://www.arubainstanton.com/files/SO_AIO.pdf

Wireless Aruba – Tipos de implementações para os Access Points

Uma das grandes vantagens dos Access Point Aruba é a utilização do mesmo equipamento em diversos cenários, como os APs trabalhando de modo independente, ou em cluster, gerenciado por uma Controladora física, Controladora virtual ou mesmo em nuvem. Agora os Access Point podem também serem chamados de UAP (Unified Access Point) e configurados de diversas maneiras e com funções especificas dentro da arquitetura WLAN, como por exemplo:

– Campus AP (CAP): também chamado de CAP, é um típico Access Point que será conectado a uma controladora, que fará o seu gerenciamento.

– Mesh APs: São APs para Campus que usam a interface de rádio como uplink. O Mesh Portal (AP) tem uma conexão física para rede corporativa. O Mesh Point (AP) utiliza seu rádio para acesso à rede corporativa.

– Air monitors (AMs): Efetuam a varredura da rede Wifi para coletar informações de RF e IDS

– Spectrum APs (SA): São Access Points configurados (de forma temporária ou permanente) para capturar sinais de rádio para análise, como por exemplo em cenários de interferência, documentação e/ou mapeamento.

– Remote AP (RAP): Atuam de forma similar ao Campus AP, mas normalmente acessam a Internet para comunicação com a controller através de um túnel VPN. Um RAP pode também ser configurado como um Remote Mesh portal, que é basicamente um RAP com funções de Mesh portal.

– Instant APs (IAPs): não necessitam de uma controladora. Todos os IAPs na mesma sub rede irão comunicar-se e formar uma Virtual Controller (VC) então eles podem operar de forma independente de uma controladora física. 

Um ponto de atenção: tome cuidado ao converter seu Access Point em ambiente de produção. Pesquise, faça testes e alterações em ambientes de laboratório, antes de coloca-lo na rede operacional.

Referências

Aruba Certified Design Professional_ Official Certification Study Guide ( HPE6-A47)

https://blogs.arubanetworks.com/solutions/aruba-unified-ap-platform/

RADIUS Change of Authorization (CoA)

Em uma implantação tradicional com AAA utilizando RADIUS, após a autenticação, o Servidor RADIUS apenas assina a autorização como resultado de uma requisição de autenticação.

No entanto, existem muitos casos em que é desejável que hajam alterações sem a exigência do NAS para iniciar a troca de mensagens. Por exemplo, pode haver a necessidade de um administrador da rede ser capaz de encerrar a ‘sessão’ de uma porta autenticada com 802.1x.

Alternativamente, se o usuário alterar o nível de autorização, isto pode exigir que novos atributos de autorização sejam adicionados ou excluídos para o usuário.

Outro exemplo, é a limitação da banda disponível a um usuário após exceder a banda liberada em uma rede wifi, por exemplo.

Para superar essas limitações, vários fabricantes implementaram comandos RADIUS adicionais a fim de permitir que mensagens ‘não solicitadas’ sejam enviada para o NAS . Estes comandos estendidos fornecem suporte para desconectar (disconnect) e mudar de autorização (CoA – Change-of-Authorization).

CoA

Com o avanço da tecnologia e o surgimento de novas demandas, o padrão RADIUS CoA (Change of Authorization) permite ao Servidor iniciar a conversação com o equipamento de rede aplicando comandos:  shut/ no shut, alterar a VLAN, ACL, banda ou então apenas re-autenticar o usuário. As vezes um endpoint pode ser roubado, infectado, ter o anti-virus desabilitado, ultrapassar do limite dos dados disponíveis para navegação ou então ocorrer outros fatores que possam afetar a postura. Nesse caso a rede deve ser capaz de interagir à essas mudanças e atualizar o nível de acesso e autorização para esse dispositivo.

Coa - NAD-ASExemplo

RADIUS Coa - Comutadores

No cenário acima, o cliente (suplicante) inicia a autenticação;  após a troca de certificados e credenciais, o servidor autoriza o usuário enviando uma mensagem RADIUS Access-Accept ao NAD. Uma vez o usuário autenticado, o NAD enviará atualizações de accouting RADIUS para o servidor para atualizá-lo com informações da sessão do usuário: como largura de banda, tempo da sessão etc.

Usando as mensagens de Accounting, o servidor de autenticação  pode correlacionar o MAC e o endereço IP de um usuário com o tempo da conexão.

Se pensarmos em uma rede sem fio, podemos habilitar a desconexão com uma mensagem RADIUS Coa Disconnect-Request para a Controller quando um cliente atingir o limite de 100Mb de trafego.

Referências

https://tools.ietf.org/html/rfc5176

https://tools.ietf.org/html/rfc3576

ClearPass Essentials Student Guide – HP Education Services