Roteadores HP: OSPF Virtual Link

O desenho de uma rede OSPF requer que todas as áreas estejam diretamente conectadas à Area Backbone (Area 0 [zero]) e que os roteadores da Area 0 estejam sempre conectados com roteadores da mesma área.

Para conexão entre roteadores de diferentes áreas, o tráfego deve passar sempre pela Area 0.

OSPF Areas

Um virtual link é um link lógico que permite a conexão entre equipamentos da Area 0 que estão separados logicamente mas podem utilizar uma outra Area OSPF como trânsito, ou entre áreas não-Backbone que precisam utilizar outra área como transito:

OSPF Virtual link

O OSPF virtual link deve ser usado somente em casos específicos, conexões temporárias ou cenários de backup em caso de falha.

Configurando OSPF Virtual link

No exemplo abaixo, o virtual link servirá na conexão entre dois roteadores da Area 0 que estão separados por uma falha no link.

OSPF Virtual link - AREA 0

R1
#
ospf 1
  area 0.0.0.0
  network 192.168.1.0 0.0.0.255
  network 192.168.11.0 0.0.0.255
 area 0.0.0.1
  network 192.168.12.0 0.0.0.255
  vlink-peer 192.168.3.3
#
R3
#
ospf 1
 area 0.0.0.0
  network 192.168.3.0 0.0.0.255
  network 192.168.33.0 0.0.0.255
 area 0.0.0.1
  network 192.168.23.0 0.0.0.255
  vlink-peer 192.168.1.1
#

Comandos display

[R1]display  ospf vlink
         OSPF Process 1 with Router ID 192.168.1.1
                 Virtual Links
 Virtual-link Neighbor-ID  -> 192.168.3.3, Neighbor-State: Full
 Interface: 192.168.12.1 (GigabitEthernet0/0)
 Cost: 2  State: P-2-P  Type: Virtual
 Transit Area: 0.0.0.1
 Timers: Hello 10, Dead 40, Retransmit 5, Transmit Delay 1

#
 [R1]display ospf peer
         OSPF Process 1 with Router ID 192.168.1.1
               Neighbor Brief Information
 Area: 0.0.0.1
 Router ID       Address         Pri Dead-Time  State             Interface
 192.168.12.2    192.168.12.2    1   35         Full/DR           GE0/0
 Virtual link:
 Router ID       Address         Pri Dead-Time  State             Interface
 192.168.3.3     192.168.23.3    1   36         Full              GE0/0

Até breve

Comware 7: ACL para gerenciamento Telnet

A utilização de listas de acesso (ACL) para limitar as redes que poderão efetuar o gerenciamento do Switch e/ou Roteador é uma técnica bastante utilizada para restringir os hosts que terão permissão de acesso o equipamento.

Os equipamentos com a versão 7 do Comware diferem um pouco na configuração de atribuição de uma ACL  ao acesso Telnet e SSH.

#
acl basic 2000
 rule 0 permit source 192.168.11.1 0
 rule 5 permit source 192.168.11.12 0
 rule 10 permit source 192.168.11.11 0
! ACL com os hosts com permissão de acesso
#
 telnet server enable
 telnet server acl 2000
! Habilitando o serviço Telnet e aplicando  a ACL 2000
#

Para filtrar o acesso via SSH utilize a mesma lógica.

ssh server enable
ssh server acl 2000

Caso o seu switch/roteador não suportar os comandos citados, veja o script citado por esse mesmo blog no post: http://www.comutadores.com.br/acl-para-gerenciamento-telnet-ssh-snmp/

Até logo

Comware – BGP Community

O atributo do BGP community é utilizado como para marcação para um determinado grupo de rotas. Provedores de Serviço utilizam essas marcações para aplicar políticas de roteamento específicas em suas redes, como por exemplo, alterando o Local Preference, MED, etc. O atributo simplifica a configuração das políticas de roteamento, gerenciamento e manutenção.

Os ISP’s podem também estabelecem um mapeamento de community com o cliente ou com outro provedor para que sejam aplicadas regras de roteamento.

O recebimento e envio de communities BGP em Roteadores HP necessitam da configuração explicita do comando advertise-community. No exemplo abaixo, segue a configuração de um peer BGP em um roteador com o Comware 7:

bgp 65500
 group AS65500 internal
 peer AS65500 connect-interface LoopBack1
 peer 192.168.2.2 group AS65500
 #
 address-family ipv4 unicast
  peer AS65500 enable
  peer AS65500 advertise-community
#

O atributo community é opcional e transitivo (optional transitive) de tamanho variável. O atributo consiste em um conjunto de 4 octetos ou um número de 32 bits que específica uma community. A representação de uma community BGP é geralmente feita no formato AA:NN onde o AA é o Autonomous System (AS) e o NN é o número da community.

Algumas communities tem significados pré-definidos como:

  • NO_EXPORT (0xFFFFFF01)
  • NO_ADVERTISE (0xFFFFFF02)
  • NO_EXPORT_SUBCONFED (0xFFFFFF03)

-A community  NO_EXPORT  diz ao roteador que ele deve  propagar os prefixos somente dentro de peers iBGP e que não deve propagar esses prefixos para roteadores pares eBGP.

-A community NO_EXPORT_SUBCONFED possui as mesmas funcionalidades do NO_EXPORT dentro de cenários com confederation.

-A community NO_ADVERTISE  diz ao roteador que ele não deve anunciar o prefixo para nenhum peer BGP.

Abaixo, deixamos um exemplo de configuração utilizando a community NO_EXPORT e o output:

Comware - BGP Community

R1	
#
 ip prefix-list COMM_iBGP index 10 permit 192.168.11.0 24
#
route-policy SET_COMM permit node 5
 if-match ip address prefix-list COMM_iBGP
 apply community no-export
#
route-policy SET_COMM permit node 65535
#
#
bgp 65500
 group AS65500 internal
 peer AS65500 connect-interface LoopBack1
 peer 192.168.2.2 group AS65500
 #
 address-family ipv4 unicast
  network 192.168.11.0 255.255.255.0
  network 192.168.111.0 255.255.255.0
  peer AS65500 enable
  peer AS65500 route-policy SET_COMM export
  peer AS65500 advertise-community
#

Verificando no Roteador R2 a marcação enviada por R1 para o prefixo 192.168.11.0/24 :

[R2]display bgp routing-table ipv4 192.168.11.0
 BGP local router ID: 192.168.22.2
 Local AS number: 65500
 Paths:   1 available, 1 best
 BGP routing table information of 192.168.11.0/24:
 From            : 192.168.1.1 (192.168.11.1)
 Rely nexthop    : 192.168.12.1
 Original nexthop: 192.168.1.1
 OutLabel        : NULL
 Community       : No-Export
 AS-path         : (null)
 Origin          : igp
 Attribute value : MED 0, localpref 100, pref-val 0
 State           : valid, internal, best
 IP precedence   : N/A
 QoS local ID    : N/A
 Traffic index   : N/A

Configurando os valores manualmente…

Um prefixo pode também participar de mais de uma community e com isso um roteador pode tomar uma ação em relação ao prefixo baseado em uma (algumas) ou todas as communities associadas ao prefixo. O roteador tem a opção de manter, adicionar ou modificar o atributo antes de passar para os outros roteadores.

#
 ip prefix-list COMM_eBGP index 10 permit 192.168.111.0 24
 ip prefix-list COMM_iBGP index 10 permit 192.168.11.0 24
#
route-policy SET_COMM permit node 5
 if-match ip address prefix-list COMM_iBGP
 apply community no-export
#
route-policy SET_COMM permit node 10
 if-match ip address prefix-list COMM_eBGP
 apply community 65500:90
#
route-policy SET_COMM permit node 65535
#
bgp 65500
 group AS65500 internal
 peer AS65500 connect-interface LoopBack1
 peer 192.168.2.2 group AS65500
 #
 address-family ipv4 unicast
  network 192.168.11.0 255.255.255.0
  network 192.168.111.0 255.255.255.0
  peer AS65500 enable
  peer AS65500 route-policy SET_COMM export
  peer AS65500 advertise-community
#

Verificando a marcação enviada por R1 do prefixo 192.168.111.0/24:

[R4] display bgp routing-table ipv4 192.168.111.0
 BGP local router ID: 192.168.44.4
 Local AS number: 65507
 Paths:   1 available, 1 best
 BGP routing table information of 192.168.111.0/24:
 From            : 192.168.24.2 (192.168.22.2)
 Rely nexthop    : 192.168.24.2
 Original nexthop: 192.168.24.2
 OutLabel        : NULL
 Community       : <65500:90>
 AS-path         : 65500
 Origin          : igp
 Attribute value : pref-val 0
 State           : valid, external, best
 IP precedence   : N/A
 QoS local ID    : N/A
 Traffic index   : N/A

Em resumo, as operadoras utilizam communities BGP para manipulação de grande quantidade de prefixos para fins de políticas de roteamento, blackhole, etc. Grandes corporações também as utilizam para identificação de rotas de empresas filiais, rotas aprendidas em fusões com outras empresas,  políticas de roteamento, redes de serviço e mais.

Referências

http://babarata.blogspot.com.br/2010/05/bgp-atributo-community.html

http://www.noction.com/blog/understanding_bgp_communities

Falando um pouco mais sobre custo STP

Uma vez que o Switch root da rede é definido, os Switches não-Root definirão a partir do Switch Root o melhor caminho para ele e bloquearão os caminhos redundantes, afim de evitar loop na rede.

O custo atribuído à velocidade da porta é um fator determinante na escolha do melhor caminho.

STP Cost Comware

No exemplo acima, o Switch SW2 bloqueou o caminho com maior custo para o Switch Root.

Nos casos em que é necessário saber qual o custo de cada porta (em Switches baseados no Comware) verifique com o comando display stp interface [nome-da-interface número-da-interface] :

[Switch]display stp interface GigabitEthernet 1/0/1
 ----[CIST][Port2(GigabitEthernet1/0/1)][FORWARDING]----
 Port protocol       : Enabled
 Port role           : Designated Port (Boundary)
 Port ID             : 128.2
 Port cost(Legacy)   : Config=auto, Active=20
 Desg.bridge/port    : 32768.0837-6c44-0100, 128.2
<saída omitida>

Para manipulação manual dos custos das portas STP  acesse o post: http://www.comutadores.com.br/spanning-tree-manipulando-o-custo-do-caminho-para-o-root-path-cost/

Um comando bem interessante para validar qual o custo utilizado de um Switch não-Root para o Switch root é o display stp root:

[SW2]display stp root
 MST ID   Root Bridge ID        ExtPathCost IntPathCost Root Port
 0        0.0837-6c44-0100      23          0           GE1/0/2


[SW3]display stp root
 MST ID   Root Bridge ID        ExtPathCost IntPathCost Root Port
 0        0.0837-6c44-0100      43          0           GE1/0/1

Dúvidas? deixe um comentário.
Até breve.